Divórcio. Por Mary Elizabeth Dallas

Uma nova pesquisa da Universidade de Estado de Iowa (EUA) sugere que aquela parte do juramento de casamento onde os casais prometem permanecer juntos “na saúde e na doença” pode ser mais respeitada por esposas do que por maridos. Isso porque as taxas do divórcio não aumentam quando os maridos estão com problemas de saúde, entretanto, a taxa do divórcio era 6% mais elevada nos casamentos nos quais as esposas adoeciam.

Há uma diferença entre sentir-se doente demais para fazer o jantar e precisar de alguém para realmente alimentá-lo. Isso é algo que pode realmente mudar a dinâmica dentro de um casamento“, disse Amelia Karraker autora do estudo. Ela é professora assistente de Desenvolvimento Humano e Estudos Familiares.

Os pesquisadores analisaram duas décadas de informações sobre 2.700 casamentos. Pelo menos um dos cônjuges tinha pelo menos 51 anos quando o estudo começou. De todos os casamentos incluídos no estudo, 32% terminou em divórcio.  Os pesquisadores verificaram se câncer, doenças cardíacas, doenças pulmonares e AVCs influenciaram as taxas de divórcio.

Os pesquisadores observaram que não sabiam qual dos parceiros iniciou a divisão. Mas, descobriram que o divórcio era mais comum entre os casais mais jovens. O tipo de doença que os casais enfrentaram não afetou significativamente os achados, com pequenas variações entre elas.

 

E por que os maridos recorrem ao divórcio quando a esposa adoece?

Ainda não está exatamente claro o porquê dos maridos desistirem do casamento quando as esposas estão doentes.

Os autores do estudo observaram que o cônjuge saudável assume o papel de cuidador primário e gerente do lar. As esposas podem estar menos satisfeitas com a qualidade dos cuidados prestados por seus maridos, que podem ter pouca experiência como cuidadores. Enquanto isso, as mulheres também podem se sentir menos confortáveis em desistir de seu papel como cuidador principal em um relacionamento, acrescentaram os pesquisadores.

Experiências de vida ou morte podem fazer com que as pessoas reavaliem o que é importante em suas vidas“. Ao pedir o divórcio “pode ser que as mulheres estejam dizendo:” Você está fazendo um péssimo trabalho de cuidar de mim e não estou feliz com isso”, ou “Eu não estava feliz com o relacionamento antes, e prefiro estar sozinho do que estar em um mau casamento.” disse Karraker.

Embora o casamento pode melhorar a saúde física e mental das pessoas, as mulheres casadas que adoecem têm maior risco de perder esses benefícios, como outros estudos anteriores já sugeriram.

Eu acho que a pesquisa mostra as vulnerabilidades potenciais para as pessoas na sociedade que estão doentes, há um elevado risco de depressão com a doença, e agora você também está em risco de divórcio“, disse Karraker. “Pessoas com má saúde podem ter menos acesso a relacionamentos sociais benéficos, o que por sua vez pode comprometer ainda mais sua saúde“.

E você, o que pensa sobre isso? Deixe sua opinião!

 

Texto adaptado e traduzido de Mental Help . Mais Informações: U.S. Centers for Disease Control and Prevention fornece estatísticas sobre casamento e divórcio.