Avaliação Neuropsicológica “consiste no método de investigar as funções cognitivas e o comportamento. Trata-se da aplicação de técnicas de entrevistas, exames, quantitativos e qualitativos das funções que compõe a cognição abrangendo processos de atenção, percepção, memória, linguagem e raciocínio”.
(Mäder-Joaquim,2010, p.47)

Leia mais aqui: O que é Neuropsicologia?
.

O que é uma Avaliação Neuropsicológica?

A avaliação neuropsicológica, normalmente é indicada ao paciente por outros profissionais (médicos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, professores / psicopedagogos), que conhecendo os sintomas da pessoa e precisam entendê-los melhor.

O trabalho de um neuropsicólogo ao realizar uma avaliação é de correlacionar as alterações observadas no comportamento do paciente com possíveis áreas cerebrais envolvidas, um papel semelhante ao de uma investigação. Para essa investigação o profissional utiliza dos seguintes instrumentos:

  1. Sólido embasamento teórico da organização morfo-funcional do sistema nervoso central: conhecer as estruturas, os sistemas, os módulos e como eles se comunicam para exercer determinadas ações.
  2. Entrevista Clínica: investigação do histórico do paciente, condições de nascimento, desenvolvimento, histórico familiar e da doença atual.
  3. Baterias, testes ou escalas padronizados: uso de instrumentos estruturados, reconhecidos, válidos e de confiabilidade para situar o desempenho do paciente em relação ao grupo de mesma, idade, escolaridade e padrão socioeconômico.
  4. Exercícios neuropsicológicos e avaliações qualitativas: forma de explorar as funções cognitivas do paciente elucidando o processo adotado pelo paciente.
  5. Relato de outros informantes: escala ou entrevista com pessoas do convívio do paciente que possam informar sobre seu comportamento, tais como cuidadores, pais/responsáveis e professores.

A avaliação neuropsicológica tende a ser solicitada para fins de detecção precoce de sintomas, compreensão clínica ou como suporte para diagnóstico de algum quadro. No entanto, ela pode ser utilizada também para acompanhamento de tratamentos cirúrgicos ou medicamentosos; para indicação de tratamento ou reabilitação neuropsicológica; e para fins legais com a produção de laudos periciais.

08-02-13-update2A indicação da avaliação neuropsicológica, pela sua amplitude de objetivos, pode abranger qualquer faixa etária. O importante é existir suspeita de alguma afecção no sistema nervoso central. Essa afecção pode decorrer de fatores genéticos; pré-natais (como transcorreu período gestacional); perinatais (condições do parto) ou pós-natais, que nesse caso, engloba qualquer quadro que interfira no desenvolvimento neurológico ou afete as funções cerebrais no decorrer da vida do sujeito como por exemplo AVC ou traumatismo craniano; doenças neuropsiquiátricas.

Quando falamos em afecções cerebrais ela pode ser de duas ordens estrutural ou funcional. A primeira envolve quadros onde uma estrutura ou grupo neuronal é afetado no sistema nervoso, abrangendo um espaço delimitado. O aspecto funcional tende a envolver mais de uma área e tem a ver com a dinâmica de funcionamento cerebral, um processo mais sutil neuroquímico ou de conexões entre determinados sistemas.

Uma avaliação neuropsicológica tente a ser montada conforme a queixa do paciente e do histórico, podendo variar os testes e tempo despendido de acordo com o quadro, faixa etária, escolaridade, entre outros aspectos. As seguintes funções podem compor uma avaliação neuropsicológica: atenção; percepção; linguagem; abstração; memória; aprendizagem; processamento de informação; funções motoras; funções executivas; visuocontrução; habilidades acadêmicas e afeto. O que for percebido durante a avaliação é descrito em um relatório final onde vem descrito o motivo da avaliação, os procedimentos utilizados, resultados obtidos, interpretação, recomendações e encaminhamentos.

Resumindo a avaliação neuropsicológica tende a ser um processo para subsidiar melhor qualidade de vida para o paciente. Ele possibilita um diagnóstico mais precoce e apurado, assim como a prescrição de um tratamento mais eficaz e direcionado para o quadro específico de cada indivíduo.

Leia o último texto dessa coluna: Saiba mais sobre a aprendizagem

Selecionados para você:

Nathalia Santos da Costa Vieira
Psicóloga e Neuropsicóloga na

Psicóloga | CRP é 04/28.003

Psicóloga e mestre em Neurociências pela UFMG, pós-graduada em Neuropsicologia pela FUMEC. Experiência clínica em Atendimento Psicoterapêutico, Avaliação Neuropsicológica e Orientação Profissional e de Carreira. Experiência em docência em cursos de graduação, pós-graduação de psicologia e psicopedagogia e capacitações em instituições de ensino. Psicóloga na Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Nova Lima.

Contatos: (31) 99903-6225 | nathalia@dialogopsi.com.br