O processo de aceitação

Por Andressa Auríchio Crema

Como você avalia o seu nível de aceitação de uma situação que não saiu conforme o que você esperava?

A época de eleições foi uma excelente oportunidade para avaliarmos nosso nível de aceitação dos resultados que não temos controle. Uma vez que a votação é uma relação ganha-perde.e somente um candidato será eleito, satisfazendo, assim, apenas a parcela de eleitores que votaram nele. Enquanto, a outra, sairá frustrada com o resultado.

E aí, olhando por esse prisma, como foi para você lidar com a ideia de que o seu candidato poderia perder?

Ou até, como é para você ver pessoas do seu círculo social, pessoas que você ama, com quem você convive, votando no candidato que você não quer no poder?

A frustração faz parte da sua humanidade.

 A partir do momento que situações ou pessoas não atendem as suas expectativas, você se sente frustrado. Não conheço ninguém que goste de se sentir dessa forma, mas é bastante natural, compreensível e humano.

Talvez você acredite que tem mais controle sobre as situações ou sobre as pessoas do que você realmente têm. Mas, saiba que só é possível influenciar alguém que se coloque aberto à sua influência, que, de alguma forma, queira ser influenciado por você. Inclusive, o próprio resultado das eleições você influencia, porém não controla.

É impossível controlar as escolhas feitas pelo outro. Claro que você pode até tentar, mas sabendo que não há garantia de sucesso.

Frustração, compreensão, aceitação

À medida que você compreende o que houve, permitindo que a frustração se ajuste dentro de você, absorvendo os aprendizados do desapontamento, você se coloca disponível para o processo de aceitação começar.

É muito importante que você aprenda a aceitar os aspectos da sua vida que fogem totalmente ao seu controle, caso contrário você pode viver frustrado, ansioso, amargo, decepcionado, triste e com raiva.

Sendo que sentir nenhuma dessas emoções fará você adquirir controle sobre o que está completamente fora do seu domínio! Sofrer por aquilo que não controlamos é uma reação humana e comum.

Mas, também, é pura perda de energia, que pode até prejudicar a sua saúde física e mental.

Mesmo sabendo sobre a importância da aceitação, não é uma tarefa fácil de fazer acontecer! Pois, machuca quando nos frustramos com algo, com alguém ou com nós mesmos. Frequentemente focamos muito mais na dor vivenciada, do que nos aprendizados que foram gerados a partir daquela situação.

Uma dica que eu dou para quando você estiver no meio da dor provocada pela circunstância é analisar qual parte dela você controla e qual não.

Olhar a situação de um ponto de vista distanciado e neutro, e tomar consciência de tudo o que a abarca, ajuda a aumentar a sua clareza sobre o que você pode fazer e o que está fora do seu alcance.

Assim, distinguir as partes que você consegue lidar e as partes que não, pode abrir caminhos para permitir que aconteça o que tiver que acontecer e que você aceite com maior facilidade tudo aquilo que for imprescindível você aceitar para superar e seguir em frente.

Então, colocando-se de um ponto de vista distanciado, pergunte para si mesmo quando se sentir no meio do olho do furacão:

Como eu posso simplesmente aceitar isso que está acontecendo?

Selecionados para você:

Andressa Aurichio Crema
Psicóloga e Coach de carreira | 11.97633-7386 | andressa.cremaa@gmail.com |

Graduada em Psicologia pela PUCSP. Coach plena formada pela metodologia Exponential Minds e Practitioner em Programação Neurolinguística (PNL) pela Inside You. Realiza processos de Coaching focados na Restauração da Autoestima e Gestão Emocional.