Propósito na vida: 

Em todas as culturas e em todos os tempos, os seres humanos têm procurado encontrar um sentido para a existência. A busca de sentido é tão antiga quanto as primeiras manifestações da consciência humana.

Por pelo menos 100.000 anos, os seres humanos enterram seus mortos com rituais e artefatos. Aparentemente acreditando que a vida envolve algo mais do que apenas correr de seu predador, caçar ou acasalar.

Está bem claro que um senso de propósito é necessário para a saúde psicológica, e por sua vez, para a adaptação e à sobrevivência humana. Quando a vida parecia não valer a pena, nossos antepassados desistiam de correr do leão e, quando deprimidos, perdiam o entusiasmo com o acasalamento. A evolução humana depende da nossa motivação e nossa vontade de sobreviver, esse sentimento de que a vida permanece, sempre vale nossos esforços.

Na edição de setembro do American Psychologist (“A vida é consideravelmente significativa“), as autoras Heintzelman e King tomaram conhecimento de um paradoxo óbvio, porém facilmente esquecido na forma como caracterizamos o sentido da vida: “Ele é retratado simultaneamente como uma necessidade e como algo que é quase impossível de alcançar”.

Alcançar o propósito da vida é impossível?

Propósito na vida
A descoberta de estudos que medem a experiência de sentido é justamente que, a maioria das pessoas diz que suas vidas têm significado e propósito. Contraditoriamente, tendemos a ver o “significado da vida” como uma mercadoria rara. Seria algo dificilmente alcançado, embora seja uma parte normal da experiência humana.

Nós encaramos esse ‘sentido da vida’ como “um construto e uma experiência envolta em mistério” e prontamente aceitamos que deve ser “cronicamente ausente na vida das pessoas.” Ou seja, por ser tão raro e dificilmente alcançado, poucas pessoas teriam atingido ou compreendido o significado de viver.

A visão comumente representada para buscar sentido na vida é fazer uma viagem ao topo de uma montanha para perguntar a um eremita-guru: “Qual é o sentido da vida?”. Se isso é o que é preciso, a resposta deve envolver um conhecimento escasso e precioso, e algo mais do que apenas felicidade e satisfação.

Qualquer coisa que é necessária para a sobrevivência, tem de ser abundante na natureza. Por exemplo, uma truta precisa de mais do que apenas um balde de água para sobreviver. Logo, podemos pensar que o que nos é necessário à sobrevivência, como o sentido da vida, deve estar disponível à nossa volta.

Melhorando a experiência de viver

A pesquisa mostra que “a exclusão social abaixa os níveis da existência significativa“. Ou seja, conexões sociais melhoram a experiência de viver. Se, ser aceito por uma tribo é tudo o que preciso para aumentar a emoção em nossas vidas, então o sentimento de significado não deve ser difícil de encontrar.

Um estado de espírito positivo é também uma influência. Os indivíduos que estão “imperturbáveis” na maior parte do tempo, irão avaliar melhor seu sentido de significado na vida. As pessoas que se dizem satisfeitas com a vida não são tão susceptíveis de sentir que está faltando alguma coisa.

Aceitar a evolução da vida também melhora a experiência de viver

Propósito na vida
Em um experimento foram mostrados aos indivíduos fotos de árvores, solicitado que eles julgassem o contraste das cores. Posteriormente, feito um questionário sobre sentido da vida. Quando as árvores eram mostrados na ordem da mudança das estações, os indivíduos tiveram maior pontuação no questionamento sobre o sentido da vida.

Como Heintzelman e King apontaram. “Vivemos em um mundo que geralmente é caracterizado por regularidade natural” e nossa experiência é reforçada pela “presença de padrões confiáveis ou coerência no ambiente.”

Em um mundo de estações, amanheceres e entardeceres, construímos uma existência ordenada com rotinas e rituais diários. Nesse contexto, é razoável esperar que as pessoas sintam que a sua existência está em harmonia com a ordem natural.

 

A eterna busca por um significado para vida

Porque é essencial para a nossa saúde, estamos continuamente motivados para buscar a experiência de propósito e significado. É como comida, a desejamos todos os dias. E tal como o sexo, não é um desejo que pode ser satisfeito de “uma vez por todas” e se cessa eternamente.

Quando as nossas necessidades comuns estão satisfeitas, tendemos a procurar mais. Está em nossa natureza buscar prazeres e sabores requintados. Algumas pessoas encontram o próximo nível de significado em iluminação religiosa ou êxtase. Outros procuram na auto-consciência ou na realização pessoal. Algumas pessoas se voltam para dentro, outros buscam do lado de fora.

A busca de um propósito mais elevado e um significado maior às vezes é difícil e não tem ponto final. Ainda assim, não é uma viagem sem esperança. De acordo com a pesquisa, a maioria das pessoas facilmente encontram um sentido ao longo de sua caminhada.

E você, qual seu propósito de vida?

 

Traduzido e adaptado de: Paul G. Mattiuzzi, Ph.D.